Suplente acusa Soraya Thronicke de ingratidão  e de “cuspir no prato que comeu”

Suplente acusa Soraya Thronicke de ingratidão e de “cuspir no prato que comeu”

Rodolfo foi derrubado da presidência pela senadora eleita e ainda na campanha viraram “inimigos”.


O ex-presidente estadual do PSL Rodolfo Nogueira considerou como ingratidão a atitude da senadora eleita Soraya Thronicke de retirá-lo do cargo e deixar de fora do diretório o deputado federal eleito Dr. Luiz Ovando e o deputado estadual Coronel David. “Cuspiu no prato que comeu”, disse. Ele ainda não conversou com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o racha partidário e sua exclusão da direção regional. “Fiquei sabendo da insatisfação do presidente pela imprensa”, disse.


Para Rodolfo, Soraya e seu sócio, o segundo suplente Danny Fabrício, ficaram com “sede de poder” ainda durante a campanha eleitoral. “A fome deles por poder começou com ela tentando me tirar da primeira suplência, para que o sócio dela [advogado Danny Fabrício] ficasse no meu lugar. Depois, mentiram à Polícia Civil, dizendo que eu a ameacei. Eu nunca fiz isso. Tenho provas”, afirmou. “Na verdade,foi tudo um plano orquestrado pelo poder, para me tirar da primeira suplência e depois tomar o partido”.


Desde a eleição passada, o partido no Estado vive clima de tensão com a acusação de Thronicke contra Nogueira. Ela teria ficado insatisfeita, conforme boletim de ocorrência registrado no dia 29 de agosto, com o fato de que o então adversário na corrida pelo Senado, Dorival Betini (PMB), estaria vinculando a imagem do candidato e hoje presidente Bolsonaro a seus adesivos de campanha, prejudicando, assim, sua candidatura. 


Dois dias depois, ela teria novamente procurado Rodolfo para cobrar providências legais sobre santinhos impressos pelo PSDB, de Reinaldo Azambuja. Coligado com o PSL na proporcional, o PSDB colocou nos santinhos os candidatos da chapa majoritária e adversários de Soraya na disputa pelo Senado Nelsinho Trad (PTB) e Marcelo Miglioli (PSDB).


“Assim que ela me falou sobre os santinhos, eu tomei todas as medidas cabíveis no momento. Inclusive, foram feitos novos santinhos”, declarou Rodolfo. Porém, mesmo assim, segundo ele, Soraya continuou insatisfeita. Ela procurou o então presidente nacional do PSL, Gustavo Bebiano Rocha, para reclamar da situação estadual.


“Desde então, começou essa briga por poder. Fizeram de tudo para me tirar de suplente e dar o partido ao grupo dela”, destacou. “Vejo tudo isso como uma grande ingratidão. Foi um ato egoísta, um estelionato eleitoral”, lamentou o ex-presidente do PSL.


Ex-integrante do partido e amigo do presidente Jair Bolsonaro, o tenente Portela, do Exército, também avaliou a “manobra” de Soraya como ingratidão. “[Ela deveria ter] um mínimo de gratidão ao Coronel David, ao Rodolfo, porque foram eles que apresentaram ela ao então candidato a presidente da República Jair Messias Bolsonaro, e isso falo com conhecimento”, destacou.


Portela relembrou ainda o compromisso do Coronel David com Thronicke. “Tentamos colocar o Coronel David para ser candidato ao Governo e ele não quis, pois a campanha seria muito cara.


Depois tentamos que ele fosse candidato ao Senado, mas ele disse que não seria por lealdade e compromisso feito à pré-candidata Soraya. Ele também não quis ser candidato a deputado federal [como era de interesse do candidato Bolsonaro], pois tinha compromisso com os demais pré-candidatos a deputados federais”, relembrou.


 


NOVA COMPOSIÇÃO


A senadora eleita Soraya é a nova presidente do PSL no Estado; seu vice, Danny Fabrício, ficou com a vice-presidência; o deputado federal Loester Carlos Gomes, o Tio Trutis, com a  secretaria-geral; e a publicitária Iara Diniz, esposa do deputado estadual eleito Renan Contar, com a tesouraria. Como é provisória, a nova comissão tem prazo de duração de 180 dias. Depois desse período, deverá haver nova eleição. A reportagem entrou em contato com Danny, mas ele afirmou que só dará entrevista após a chegada de Soraya de viagem à 

Fonte: C.E


Comentários