MPE pede bloqueio de R$ 140 milhões de cada réu em ação do Aquário do pantanal.

MPE pede bloqueio de R$ 140 milhões de cada réu em ação do Aquário do pantanal.

Insatisfeita com o bloqueio de bens de R$ 10,7 milhões dos oito denunciados em ação sobre suposto desvio de dinheiro público com a obra do Aquário do Pantanal, a força-tarefa da Lama Asfáltica entrou com pedido no TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para que a indisponibilidade seja estendida para R$ 140,2 milhões individualmente. Esta era a solicitação feita de início, mas acabou sendo deferida parcialmente pelo juiz David de Oliveira Gomes Filho. 


Resultado de imagem para FOTOS do aquario do pantanal


Para os promotores de Justiça Thalys Franklyn, Tiago Di Giulio, Cristiane Mourão e Fernando Zaupa, a decisão de primeiro grau “mostra-se equivocada porquanto a responsabilidade dos demandados em relação aos atos ímprobos é solidária, conforme reconheceu o próprio juízo a quo, e, portanto, deveria ter sido decretada a indisponibilidade dos bens de cada requerido até o valor do prejuízo causado, individualmente”.


Conforme investigação da força-tarefa o prejuízo geral, já levando em consideração os danos morais coletivos e multa a ser paga como sanção pela prática dos atos de improbidade administrativa, é de R$ 140,2 milhões.


Portanto, “proposta a ação civil pública em face de todos os agentes que praticaram, em concurso, ato de improbidade lesivo ao erário, deve a indisponibilidade alcançar o valor total do ressarcimento no patrimônio de cada requerido, haja vista a solidariedade existente entre eles”.


Os promotores complementam dizendo que ao decorrer do processo será medida a responsabilidade de cada um dos envolvidos, inexistindo, neste momento, quaisquer motivos para que o valor total do dano seja fracionado entre cada um deles. Ao final da ação, cada imputado até poderá dever apenas a sua quota-parte mas responderá pelo todo, já que a responsabilidade é solidária.


Por isso, pedem que seja acrescentado aos R$ 10,7 milhões, o valor da multa civil de R$ 21,5 milhões, que soma duas vezes o total do dano material, além dos danos morais coletivos R$ 107,8 milhões para cada um dos agravados.


Decisão


No dia 28 de agosto deste ano o juiz David de Oliveira Gomes Filho determinou o bloqueio de bens em R$ 10,7 milhões do ex-secretário estadual de Obras Edson Giroto, da Fluidra Brasil, Fernando Amadeu de Silos, José Antônio Toledo, Pere Ballert Hernandez, Ruy Ohtake e Arquitetura e Urbanismo Ltda, Massashi Ruy Ohtake e Luiz Mário Mendes Leite Penteado.


O magistrado entendeu que naquele momento era necessário indisponibilizar somente o valor correspondente ao prejuízo supostamente causado por superfaturamento na obra do Aquário.


“Existe a questão da quantificação deste dano, que não é possível precisar neste momento. O mesmo se diga em relação à multa. Assim, o valor para a garantia do juízo deve ser aquele correspondente aos danos materiais levantados pelo autor, ou seja, de R$ 10.789.102,48”, explicou.


Denúncia


Conforme a inicial, houve contratação da Fluidra Brasil, responsável por ao sistema de filtragem, sem licitação. Segundo os promotores o valor total inicial da obra era de 84,7 milhões, sendo que R$ 8,6 milhões se destinavam ao sistema de filtragem, inicialmente concebido à Terramare Consultoria, Projeto e Construção de Aquários Ltda.


Mas, Giroto e Luiz Mário, este último coordenador de Obras e Edificações, “a fim de satisfazer interesses privados, resolveram excluir do contrato inicial firmado com a Egelte Engenharia Ltda. (Contrato OC n. 028/2011) os serviços relativos ao sistema de filtragem, para contratá-lo por preço muito superior junto à Fluidra Brasil Indústria e Comércio Ltda”. Segundo os promotores o total saltou para R$ 17,2 milhões.


No dia 2 de agosto de 2013 a comissão de fiscalização do contrato firmado com a Egelte apresentou reprogramação de serviços e nela, “atendendo determinação superior”, suprimiu todos os itens relacionados ao sistema de filtragem dos tanques do aquário, “já com a intenção de possibilitar que a Fluidra Brasil Indústria e Comércio Ltda. fosse contratada para o serviço”.


O fiscal da obra, Domingos Sávio de Souza Mariúba, responsável por redigir a tal justificativa técnica, esclareceu que a determinação superior para a reprogramação partiu de Luiz Mário, o qual era subordinado de Giroto. Assim a Terramare foi retirada do contrato.


A empresa Roau (Ruy Ohtake Engenharia e Urbanismo Ltda), contratada pelo Estado para prestar serviços de assistência técnico-científica à Construção do Centro de Pesquisa e Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, apresentou a “Revisão conceitual do Projeto do Sistema de Suporte à Vida”.


No entanto, mesmo antes disso e até mesmo antes de ser iniciado o trâmite administrativo que resultou na contratação da Fluidra a contratação já estava definida, “afigurando o processo de inexigibilidade mera formalidade para dar-lhe ares de legalidade”. Sendo assim, para os promotores, essa foi uma forma de esquematizar desvio de verba pública.


Tanto que a Auditoria-Geral do Estado e a Controladoria-Geral da União apontaram irregularidades no processo que levou à contratação da empresa, “em especial por não se revelar hipótese de inexigibilidade de licitação, haja vista que era evidente a possibilidade de competição”.


Vale lembrar que, além do sistema de filtragem, o objeto do contrato com a Fluidra também compreendeu o sistema de automação, sistema de iluminação e cenografia do aquário, totalizando R$ 25 milhões. A construção está basicamente parada o governo do Estado alega esperar manifestação judicial para retomá-la.

Fonte: Midiamax


Comentários